Cibercriminosos vão amplificar a chantagem financeira nos ataques ransomware

O números sobre segurança online em 2021 mostram que o ano marcou uma maior incidência de ataques de ransomware. Segundo dados do grupo de resposta a emergências da empresa Kaspersky, nos primeiros 11 meses de 2021 a porcentagem de solicitações de resposta a incidentes processadas foi de 46,7% do total – um salto comparado com os 37,9% de 2020 e dos 34% de 2019 (ano completo).

Os principais afetados foram áreas governamentais e o setor industrial. Juntos, ambos os ataques representaram quase 50% de todas as solicitações de IR de ransomware em 2021. Outros alvos populares incluíram instituições financeiras e empresas de tecnologia.

Conforme os operadores de ransomware passam a direcionar seus ataques para alvos com grande visibilidade e exigem resgates maiores, eles passaram a sofrer mais pressão política e das autoridades legais, o que aumentou a eficiência dos ataques. Como consequência disso, duas tendências importantes ganharão popularidade em 2022.

A primeira é que as gangues de ransomware devem construir versões Linux de seus ransomware para ampliar a superfície de ataque. Isso já ocorre com os grupos RansomExx e DarkSide. Além disso, os operadores começarão a focar mais na “chantagem financeira”.

Neste caso, as ameaças de vazamento de informações críticas ocorrem no momento em que as empresas estão passando por um evento financeiro importante, como uma fusão, aquisição ou abertura de capital, e que pode desvalorizar suas ações.

Neste contexto, as vítimas ficam mais vulneráveis e mais propensas a pagar o resgate.

 

Fonte: Convergência Digital

Deixe o seu comentário

netdeep